Amamentaçao exclusiva


Muito se tem ouvido falar sobre a amamentação exclusiva nos primeiros meses de vida do bebé, mas também existem muitos leites de substituição disponíveis no mercado…

Sabe qual a melhor opção? Conhece as vantagens associadas à amamentação exclusiva?


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a amamentação é a melhor opção para a alimentação infantil. Este é considerado um dos comportamentos mais importantes para a promoção e proteção da saúde infantil.

A OMS recomenda:

·         Início precoce da amamentação dentro de 1 hora após o nascimento do bebé;

·         Amamentação exclusiva nos primeiros 6 meses de vida do bebé;

·         Introdução de alimentos complementares (sólidos) nutricionalmente adequados e seguros aos 6 meses de idade, juntamente com a amamentação contínua até aos 2 anos de idade ou mais.

 

Mas afinal, quais são os benefícios da amamentação exclusiva? Há benefícios tanto para a mãe como para o bebé?


Benefícios de saúde a longo prazo para mães que amamentam:

·         Menor risco de desenvolvimento de cancro da mama e do ovário;

·         Menor risco de desenvolvimento de obesidade.

 

Benefícios para bebés amamentados:

·         Menor risco de desenvolver diarreia e infeções respiratórias;

·         Proteção contra risco de obesidade;

·         Efeito protetor na incidência de doenças não transmissíveis, nomeadamente obesidade infantil, doenças cardiovasculares e Diabetes Mellitus;

·         QI mais elevado;

·         Menor risco de desenvolver alergias.

 

Muitas são as descobertas e os estudos que apoiam a amamentação exclusiva durante os primeiros 6 meses de idade do bebé. No entanto, e apesar da ativa divulgação dos benefícios da amamentação na saúde materna e neonatal, das melhores atitudes em relação às mulheres grávidas, da colaboração respeitosa e participação ativa das mulheres na tomada de decisões durante a gravidez e da melhor qualidade de atendimento em Saúde, a Europa é o continente que tem as menores taxas de amamentação de todas as regiões da OMS!

Dados recentes sobre o aleitamento materno recolhidos em 21 países da Europa mostram que, em média, apenas 13% das crianças são amamentadas exclusivamente durante os primeiros 6 meses.

A taxa média de amamentação exclusiva está muito abaixo da recomendação global, mas… Porque será?


Que fatores desencorajam o aleitamento materno na Europa?

Existem vários fatores que poderão explicar este facto, como:

·         Pobreza;

·         Dificuldade de acesso aos serviços de saúde;

·         Marginalização social;

·         Obesidade;

·         Políticas no local de trabalho e no mercado de trabalho;

·         Comercialização de substitutos do leite materno e alimentos complementares.

 

O que pode ser feito para melhorar as taxas de amamentação?

A promoção e o apoio à amamentação são fundamentais para o desenvolvimento deste ideal e a nutrição adequada das crianças.

A fim de reduzir as desigualdades e melhorar as taxas de amamentação, a OMS promove várias iniciativas:

·         "Além dos números", uma análise das taxas de mortalidade e morbidade materna para melhorar o acesso a cuidados de Saúde de boa qualidade;

·         Promoção e adoção do aleitamento materno nos hospitais;

·         Educação em sexualidade e melhoria da qualidade dos serviços de planeamento familiar;

·         Avaliação e planeamento de políticas a nível nacional, regional e local;

·         Promoção dos direitos das mulheres e das suas famílias à escolha e acesso a cuidados de Saúde de alta qualidade.

 


Fique EMFORMA!

Até já.

 

WHO European Region has lowest global breastfeeding rates, World Health Organization (05-08-2015). Acedido em http://www.euro.who.int/en/health-topics/Life-stages/maternal-and-newborn-health/news/news/2015/08/who-european-region-has-lowest-global-breastfeeding-rates a 03-12-2018.

World Breastfeeding Week: a mother’s perspective on breastfeeding, World Health Organization (21-07-2018). Acedido em http://www.euro.who.int/en/health-topics/Life-stages/maternal-and-newborn-health/news/news/2018/08/world-breastfeeding-week-a-mothers-perspective-on-breastfeeding a 03-12-2018.

Ao continuar a navegar na página web, o utilizador está a concordar expressamente com a colocação de cookies no seu computador que permitem medir estatísticas de visitas e melhorar a qualidade dos conteúdos oferecidos. Clique aqui para mais informações.